XXXIII

by praerigidus

Posso nunca te compreender
Imaterial, intermitente mas sublime
Contra a ti nada tenho a temer
De pé, prostrado, mas sempre firme
Enquanto por ti espero, célere de viver
Edifico-te, personificação de algo
Que espero um dia poder ver .

Advertisements